segunda-feira, fevereiro 16, 2009

Adversários Políticos

Num país, onde, a cada dia que passa se tem a sensação/notícia, de que mais um dos muitos valores da nossa sociedade e cultura, morreu… apraz-nos realçar este acto que, espero, venha a ser hábito e não mera excepção, no nosso dia-a-dia da actualidade política.


Aliás, recentemente, alguns sinais desse calibre têm aparecido qual ‘relâmpago’ que se vê e faz barulho… e depois desaparece.
A esperança em como as coisas podem e devem mudar, positivamente… a esperança em como os Jotas poderão trazer essa mais-valia... Pois adversários políticos não são 'inimigos a abater'.

É possível discordar, ter e defender ideias antagónicas, com o respeito pelo companheiro… E sobretudo, elevando o respeito por aquele que os pôs no poder: os eleitores. (quanto a estes, também passarem a se respeitar, exigindo as mudanças e cumprindo com o seu papel nesta sociedade… já será uma outra ‘estória’…)

4 comentários:

Anônimo disse...

E' o teu ponto de vista Fonseca e vale o que vale! Respeita-se mas mais nada! Nao tem que ser recomendado, pois ninguém quer ser condicionado.

Cada qual deve pensar e actuar a partir de vontade propria.

A troca de correio entre duas pessoas ou dirigentes é normal e faz parte das regras da simples educaçao de base.

Mais nada! Nao ha que ver nisso, algo de especial.

Em politica, pode-se ser educado mandando uma cartinha ao adversario, mas minuto a seguir desancar na politica e nas ideias do homem sem do nem pena!

Politica é uma forma de guerra. Ja Clausewitz dizia que a politica é a continuaçao da guerra por outros meios. E CARL SChmitt, muito mais radical via na politica uma questao de amigo e inimigo.

E' assim desde a noite dos tempos e nao estamos aqui para brincadeiradas ou "caboverdeiradas". Estou aqui para existir e para ficar... para dar um novo tom radical a este debate mole e atonico!

Politica é vigor, é vital para a existencia humana! Politica nao é para maninhas, mas para homens machos e com eles no sitio..

Al Binda

José Eduardo Fonseca Soares disse...

O Homem não consegue ver que estamos de acordo, no essencial! Mas a política pode, e deve(!) ser feita com nobreza e respeito pelo adversário... que não é um inimigo a abater (no sentido clássico da guerra). Há que relativisar, em relação às leituras feitas. Caricatura-se para ajudar na compreensão, meu amigo. E repito: no essencial, estamos de acordo!
Abraço

Anônimo disse...

gostei do teu "caricatura e compreensao". E' também uma forma de se aprender... mas bom! eu sou pela vontade da potência de Nietzsche e aqui nao podemos estar de acordo quando "relativizas" as leituras; um homem sem livros na cabeça nao tem o direito de dirigir homens como ele.
O motor de tudo é o saber... mesmo para tu ganhares o pao para a boca!
Al Binda

José Eduardo Fonseca Soares disse...

Totalmente de acordo quanto ao SABER como MOTOR de tudo...