sábado, fevereiro 21, 2009

Dia Internasional d'linga matérna


Há muito que, por motivos vários que vão desde a ideia de emancipação dos anos 70 do século passado... até à necessidade de adaptação de ‘clássicos’ para o kriol, me fui aventurando, junto de outros colegas, na tentativa de escrita na nossa língua materna. E logo deparei com o problema que ainda hoje se mantém, de alguma dificuldade em compreender o que outros escreveram… simplesmente porque cada um escrevia consoante o seu “feeling”.
Faltava o que o Alupec propõe: as ferramentas para uma standardisação da escrita da nossa língua materna. Uma língua que está bem viva! Pois está na nossa vida de uma forma quase que omni-presente... Desde o sonho até ao comunicar do mais pequeno pormenor das nossas vidas íntimas…
O que falta, de facto, é a assumpção descomplexada da sua escrita – standartisada - com os rigores de uma língua viva e estudada cientificamente. Aqui é que acho que há todo um caminho pela frente. A aprendizagem e habituação de todos, à sua escrita. O seu estudo desde tenra idade, nas escolas primárias… mas a partir de um estudo que desagua numa introdução planificada e programada, de acordo com as idades.
A nossa língua materna – a língua cabo-verdiana – precisa no entanto que todos, e sem complexos e preconceitos de que ordem fôr, a assumam nessa fase da sua evolução para uma escrita unificada. Esquecer falsas questões desviantes que pululam à volta das variantes que, estou certo, não estarão em questão, antes pelo contrário, terão que ser respeitadas para o bem da língua cabo-verdiana.
Como já dizia num comentário de um dos debates à volta deste alfabeto cabo-verdiano… “E agora, quanto a mim, é as pessoas o adoptarem nas experiências de escrita na língua nacional, respeitando as variantes de cada ilha. A começar, por um lado, pelos escritores, e por outro, nas escolas...”

Barlaventando a escrita Alupec, e convergindo com o blog “Igualdade na Diferença” nos seus exemplos… aqui vão alguns exemplos:
kretxeu, amdjer, mdjeróna, flisidad, txon, midje, azága, txuva, arkipélg, sentód, afrikane, dret, bnite, fidje, etc

Que seja o início de uma nova era da nossa língua cabo-verdiana!

2 comentários:

Anônimo disse...

Será ki dadu oportunidadi, tenpu e espasu sufisiente pa ALUPEK ser SOSIALIZADU?

Stória di evoluson di ALUPEK:

1. Prosésu di kriason di un alfabétu sistematizadu pa skrita di kabuverdianu ta data di 1979.
2. Foi na Kolókiu linguístiku di 1979 ki surji purmeru propósta di un alfabétu fonolójiku, dipôs di speriénsia di A. Di Paula Britu na final di séklu XIX.
3. Es propósta foi diskutidu, sosializadu y kritikadu. Dés anu dipôs, istu é na 1989, fasedu un Fórun sobri alfabetizason bilingi ki, na kel altura, ta faseda na Kabuverdi.
4. Na es Fórun txigadu konkluzon ma alfabétu di 1979 debeba ser raformadu, partikularmenti na raprizentason di konsuantis palatal;
5. Foi konstituídu na es Fórun un Komison Konsultivu ki fase un studu sobri nisisidadi ô nãu di fase rafórma di alfabétu;
6. Pozison di es Komison foi favorável a raforma y el indika kaminhus di es rafórma;
7. Na 1993 foi konstituidu, ofisialmenti, Grupu pa Padronizason di alfabétu;
8. Es Grupu trabadja na un orizonti di seis mezis. El aprizenta proposta di ALUPEK na 1994;
9. Govérnu di entãu (MPD) permiti ki fasedu sosializason di propósta duranti quatru anu y sô na 1998 el ofisializa, a titlu sprimental, ALUPEK;
10. Sosializason di ALUPEK na Kabuverdi, na Mérka y na alguns país di Európa leba dés anu. Na Dizénbru di 2008 ( ku PAICV na Govérnu), fasedu un Fórun na Kabuverdi ku partisipason di alguns spesialista y utilizadoris di ALUPEK pa fase balansu di dés anu di sprimentason, y pa fla si aprovason di ALUPEK debeba ser a titlu ofisial plénu, enbóra ku posibilidadi di kontinua ta ta aperfeisoa aspétus ki na ténpu y ku siénsia ta ba ta limadu. Ninhun alfabétu ka pode ser konpletamenti difinitivu. Basta odja kazu di língua purtugês ku rasenti Akordu Ortográfiku;
11. Foi dipôs di dés anu di sprimentason di ALUPEK, y di dipôs di un Fórun di avaliason, ki Govérnu disidi ofisializa alfabétu kabuverdianu, ku bazi na ALUPEK;
12. Nu meste fla inda ma désdi kriason di ALUPEK na 1998 es modélu di skrita foii utilizadu pa skritoris, na Institutu Supirior di Edukason, na Skóla Bilingi na Mérka, na várius tézi di lisensiatura y dotoramentu, na Komison di Traduson di Bíblia, na rakódja y transkrison di tradison oral, na transkrison di atas di Parlamentu Kabuverdianu, na traduson di Diklason Universal di Direitus Umanu, na traduson di alguns óbra di klásikus purtugezis (na prélu).
13. Otu kusa signifikativu ta verifika ku ensinu di kriolu na várius Universidadi di Mérka y na algun struturas di ensinu na Portugal.

Na tudu ês prosesu proposta inisial sufri txéu alterason ku basi na propostas apresentadu pa várius pesoas. ALUPEK aprovadu pa governo atual é resultadu di tudu ês prosesu di sosializason ki dikori dês di primeru proposta.

Será ki serka di 14 anu di sosializason ka é sufisiente? Keli é keston ki-m ta dexa en abertu.


Pa nhos informason keli ki foi kumison di Padronizaso ki fase propósta de ALUPEK:

Manuel Veiga, doutor na linguístika Jeral y Aplikadu, natural di Santiagu;
Eduardo Cardoso, méstri na línguístika, natural di S.Visenti;
Dulce Duarte, Lisensiada na Filolojia, natural de S.Nicolau;
Alice Matos, lisensiada na Studus Liguístiku, natural di S.Visenti;
Inês Brito, lisensiada na Studus Linguístiku, natural di Fogu;
Tomé Varela, skritor, lisensiadu na Filozofia, natural di Santiagu;
José Luís H. Almada, skritor, lisensiadu na Direitu, natural di Santiagu.

Sima nhos podi odja, pessoas envolvidu é pessoas entendidu na matéria e di diferenti ilhas.

Nhos passa palavra,

Kel abrasu

José Eduardo Fonseca Soares disse...

Palavra sa ta pasa manenti... kel abrasu.