quarta-feira, janeiro 28, 2009

Faleceu ontem 27 de Janeiro uma Voz feminina da poesia cabo-verdiana… Adeus a Yolanda Morazzo


Nasceu a 16 de Dezembro de 1927, nesta ilha de S. Vicente.
Yolanda Morazzo era neta de José Lopes da Silva.
Uma das raras poetisas cabo-verdianas desse período colonial... e a única voz feminina na revista Claridade.

Frequentou o Liceu Gil Eanes do Mindelo e concluiu os seus estudos liceais em Lisboa, para onde foi em 1943, e onde fez os cursos de Francês no Instituto Francês e o de inglês no Instituto Britânico.

Emigrou para Angola onde foi professora da Alliance Française em Luanda. Deixou Angola em 1975 na sequência da descolonização e regressou a Lisboa onde se manteve até à morte, ontem, vítima de doença prolongada, aos 80 anos de idade.

Grau académico: Doutoramento, 1988, Lisboa, Estremadura, Portugal. Sobre a escrita desse seu parente e um dos expoentes máximos da Literatura Cabo-Verdiana... Baltazar Lopes da Silva.

• Colaborou na Claridade, Cabo Verde - Boletim de Propaganda e Informação, no Suplemento Cultural; Ponto & Vírgula e Artiletra nos portugueses Artes e Letras do Diário de Notícias; nos angolanos Província de Angola, Jornal do Lobito, Notícia, República, etc.
Figura em: Modernos poetas cabo-verdianos - Antologia, Praia, I. Santiago, 1961;
Nós somos todos nós. Antologia Portugalidade, Luanda, Angola, 1969;
A mulher e a sensibilidade portuguesa, Luanda, Angola, 1970;
e No reino de Caliban - Antologia panorâmica da poesia africana de expressão portuguesa, Lisboa 1975.

• Publicou: Cântico de Ferro, Lisboa, 1976, e Poesia Completa 2004
Elsa Rodrigues dos Santos, em entrevista para o Artiletra, em Dezembro de 2006 dizia dela:

"Nha terra é quel piquinino

É São Vicente é que di meu"


Nas praias
Da minha infância
Morrem barcos
Desmantelados.
Fantasmas
De pescadores
Contrabandistas
Desaparecidos
Em qualquer vaga
Nem eu sei onde.
E eu sou a mesma
Tenho dez anos
Brinco na areia
Empunho os remos...
Canto e sorrio...
A embarcação
Para o mar!
É para o mar!...
E o pobre barco
O barco triste
Cansado e frio
Não se moveu...

Este poema – Barcos - encontra-se no CD Poesia de Cabo Verde e sete poemas de Sebastião da Gama, de Afonso Dias.

3 comentários:

Caboverdiano disse...

Os meus pêsames a familia e ao país pela perda.

Obrigado pela informação, Tchá.

Anônimo disse...

Oi Tchá!

Onde é que posso encontrar a "Poesia Completa" de Y. Morazzo?

Merci d'avance.

Abraços.

moreia

José Eduardo Fonseca Soares disse...

Moreia, infelizmente em CV, que eu saiba, não está disponível. Mas sim, em Portugal.
Pas de quoi
Abraços